sábado, 15 de novembro de 2008

RESILIÊNCIA

A resiliência é um termo oriundo da física. Trata-se da capacidade dos materiais de resistirem aos choques. Esse termo passou por um deslizamento em direção às ciências humanas e hoje representa a capacidade de um ser humano de sobreviver a um trauma, a resistência do individuo face às adversidades, não somente guiada por uma resistência física, mas pela visão positiva de reconstruir sua vida, a despeito de um entorno negativo, do estresse, das contrições sociais, que influenciam negativamente para seu retorno à vida. Assim, um dos fatores de resiliência é a capacidade do individuo de garantir sua integridade, mesmo nos momentos mais críticos.
Acho muito curioso como, aos poucos, a física e outras áreas da ciência vai traduzindo os princípios bíblicos para a linguagem científica dando a eles o ar de novidade e intelectualidade satisfazendo assim os acadêmicos que, desprovidos da graça da fé, só aceitam se curvar diante de boa “comprovação” dos fatos. Mais curioso ainda, na verdade até cômico, é pensar que essa informação já estava disponível há tanto tempo, mas na mão de pessoas suficientemente simples para crer naquilo que nem sabiam explicar (MT 11.25).
A muito tempo atrás, nas estradas empoeiradas da palestina Jesus discursava a cerca de resiliência usando como artifício de ensino uma parábola incrivelmente simples, descrevendo uma história sobre construção civil, acerca do desabamento de uma casa e da capacidade de uma outra para resistir ventos fortes, águas torrenciais, e ainda assim ficar firme e forte. Ele ensinava que o resiliente é aquele que houve sua palavra e a pratica, sendo capaz de ceder sempre que confrontado, servir sempre que necessário, perdoar sempre que ofendido, amar em todo tempo, estar pronto a ser honrado e humilhado, a prosperar e também padecer necessidade de forma que tempestades ou ventos contrários o façam inclinar-se sem nunca quebrar.
A proposta da vida resiliente pode parecer absurdamente angustiante, mas se você prestar um pouco mais de atenção verá que é incrivelmente libertadora, quando nos estimula a manter os olhos fitos em Cristo Jesus, nossa rocha eterna, sem permitir que circunstâncias externas nos movam para uma direção ou outra.
Há quem pense ser contraditório o ensino de Jesus que, exigindo renúncia de todas as coisas nos estimula a pedir por que nos seria dado e nos aponta a direção de uma tal vida abundante ao mesmo tempo que nos adverte acerca de aflições e tribulações. O equilíbrio estaria em que a vida abundante consiste exatamente na pratica resiliente onde o discípulo de Jesus é pronto para receber e perder com a mesma alegria que é oriunda do ser e não do ter.
O resiliente é aquele que pode cair, mas nunca ficara prostrado (Pv. 24.16); é forte na fraqueza (2Cor. 12.10); resistente nos sofrimentos (2Cor. 4.7 a 18) e contente em qualquer circunstância (Fl. 4.11 a 13).
Seja então sobre nós a consciência libertadora da resiliência tornando-nos um exército invencível por causa da vitória irrevogável e imutável que já existe em nós.

Em Cristo, que não apaga o pavio que fumega,

Pr.Alexandre Itaboraí

Um comentário:

net disse...

Pr Alexandre como sempre tendo uma palavra libertadora da parte de Deus.
Sou muito abençoado pelas palavras reveladas que Deus tem dado a este grande amigo e pastor.

Ruy Rodrigues.